quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Presidente da FGF palestra para o Convergência

O Convergência Colorada promoveu na última segunda-feira, dia 3 de outubro, na AMRIGS mais uma Palestra Técnica aberta ao público. Francisco Noveletto, presidente da Federação Gaúcha de Futebol, foi o convidado e que revelou bastidores da FGF e CBF, abriu sua opinião às perguntas dos presentes, num evento que contou com aproximadamente 50 pessoas.

Destacou-se a presença do secretário da Copa, João Bosco Vaz, que atendeu convite, fez excelentes intervenções sobre temas vitais ligados a Copa 2014 e oportunamente será convidado para palestrar em evento específico. Também estava presente o deputado federal - e convergente - Viera da Cunha.

Vieira e Noveletto comentaram a possibilidade da FGF construir sede nova antes da Copa em área no trecho da avenida Beira-Rio com a Ipiranga. Ao lado, está previsto um memorial em homenagem a Luis Carlos Prestes, projetado por Oscar Niemayer, projeto do deputado ainda de quando era vereador municipal.

Basicamente, o presidente da FGF conduziu sua fala respondendo questões da plateia. Revelou, por exemplo, sua opinião desfavorável ao Inter estabelecer um Centro de Treinamento longe do Beira-Rio, como se cogitou em comprar a área do Porto Alegre FC. Noveletto tem predileção pelo uso de gramados sintéticos nos campos suplementares atuais.


Ao ser questionado sobre a disparidade que está se criando com a diferença de valores das cotas pagas aos clubes pelos direitos de transmissão de jogos do campeonato brasileiro na televisão e confrontado com os reflexos causados na Espanha por medidas semelhantes terem sido adotadas, Noveletto se mostrou resignado. Considera a questão um problema por ora irreversível.

Lembrou que os próprios clubes têm responsabilidade ao se submeterem às assinaturas de contrato individual com a TV Globo - sendo o Grêmio um dos primeiros a fazer e o Inter um dos últimos, quando já não havia quase alternativa. Mas pondera que a realidade nacional espelha o que acontece localmente. "55% dos valores de TV pagos no Gauchão são para Inter e Grêmio".

 
Emendando neste assunto, Noveletto deu sua opinião favorável ao uso de arbitragem profissional. "Com esses altos valores previstos para 2012 que os clubes vão receber, a arbitragem tem que ser profissional. É possível", diz. Segundo o dirigente, com salário fixo, o árbritro não ficaria pressionado a apitar sob a ameaça de não ser escalado e consequentemente ficar sem receber.

Outra defesa de Noveletto é da ideia de unificar séries C e D, regionalizando a competição como já foi no passado. O objetivo é diminuir os gastos dos clubes. Quando foi criado o modelo atual, havia a promessa da CBF de arcar com algumas despesas dos clubes, fato que não se consumou.


Com planos futuros de alterar o número de clubes que disputam o Gaúchão, por enquanto, para 2012, alteração só no que diz respeito a uma troca de nomenclaturas. Haverá a Primeira Divisão, a Divisão Intermediária (atual Segundona) e a Segunda Divisão (a própria Terceirona). Sobre a questão de calendário e as dificuldades que ele traz ao Inter realizar pré-temporada no exterior (como ocorreu em 2008, em Dubai), alegou que a impossibilidade estaria amarrada ao contrato da televisão local.

Ainda que constantemente lembrado de sua amizade com o atual presidente da CBF, Ricardo Teixeira, bem como de seu nome ser cotado para presidir a confederação, ele desconversa. Prefere falar do momento atual e salientar que procura trabalhar pelos clubes gaúchos com isenção. "Tudo que o Internacional ou o Grêmio precisaram, o 'Noveletto' conseguiu", brinca.



Já a amizade com Nicolás Leoz, rendeu uma última história. Foi Noveletto quem recebeu o recado do homem forte da Conmebol a ser repassado para a presidência do Internacional, quando o clube, no final de 2005, pretendia ir à Justiça pelo Brasileirão daquele ano. Caso não voltasse atrás, o Inter seria banido da Libertadores que por fim conquistou.